Nesta postagem vamos conhecer os PRÓS e os CONTRAS do leite, conforme as ultimas pesquisas. Inicialmente vamos ver quais as categorias do leite.

CATEGORIAS DO LEITE

Leite Tipo A
A ordenha é sempre mecânica e o leite vai direto para um tanque, onde é resfriado, e já sai para a máquina embaladora. quanto a composição, a diferença entre o A e o B é bem pequena. Os dois são praticamente integrais. O tipo A tem mais gordura e menos proteína que o tipo B.

Leite Tipo B
As vacas permanecem em estábulos, o que ajuda na manutenção das condições de higiene. A ordenha também pode ser manual ou mecânica. O local de armazenamento é mais sofisticado do que o tipo C. Permite uma refrigeração a temperaturas mais baixas.

Leite Tipo C
A ordenha pode ser manual ou mecânica e as vacas ficam soltas no pasto. O leite é armazenado em abrigos rústicos, mas refrigerados, antes de seguir para a usina onde será embalado. Apresenta um teor de gordura de aproximadamente 3%. As usinas utilizam o restante para produzir manteiga, queijo e derivados.

LEITE PRÓS

Fonte de Cálcio:
O leite é o alimento natural com a maior concentração de Cálcio – mineral essencial para a formação e a manutenção da integridade dos ossos, o que acontece da gestação até cerca dos 25 anos. Depois disso, o Cálcio é necessário para manter a integridade dos ossos.O Cálcio do leite, em função de sua forma química e da presença da lactose, é mais facilmente absorvido pelo organismo do que em outros alimentos. Por isso, leite na mesa no dia-a-dia é simplesmente indispensável.

Fonte de energia:
O leite integral é um bom fornecedor de energia para as atividades do dia-a-dia. Por isso, é ideal para as crianças. Servir 3 copos diários de leite já atende 25% das suas necessidades diárias de calorias.

Fonte de Vitaminas:
O leite integral tem boa quantidade de vitamina A, que ajuda no crescimento das crianças e melhora as suas defesas contra as doenças infecciosas.Além da vitamina A, o leite também tem significativa quantidade de vitamina B1, importante na produção da energia de que o corpo precisa, e de vitamina B2, reguladora da utilização de proteínas, gorduras e açúcares.

Fonte de proteínas:
As proteínas do leite são completas, propiciando a formação e a manutenção dos tecidos do organismo.Essa é a razão pela qual as mães, intuitivamente, não deixam faltar leite na alimentação de crianças e adolescentes em fase de crescimento.

Fonte de minerais:
Mais do que o Cálcio, o leite contém boa quantidade de Fósforo, que também ajuda na formação dos ossos. Além disso, 2 copos diários de leite já atendem a quase toda a recomendação, por exemplo, de Manganês, nutriente importante no aproveitamento das gorduras e no funcionamento do cérebro.Niacina: mantém o funcionamento normal das enzimas e ajuda o organismo a processar açúcares e ácidos graxos. É importante também para o desenvolvimento do sistema nervoso; Riboflavina: ajuda a produzir energia nas células do organismo e exerce papel vital no desenvolvimento do sistema nervoso.

LEITE CONTRAS

Efeitos do leite na saúde:
Lacticínios, como leite, iogurte e queijo fresco, apesar de possuírem um Índice Glicémico (IG) baixo (não provocam um aumento pronunciadoda glicemia), aumentam muito a libertação de insulina pelo pâncreas, o que, a longo prazo, pode causar resistência à insulina, que está na origem de várias patologias/problemas de saúde e/ou fenómenos fisiológicos, como síndrome metabólica (inclui diabetes tipo 2, hipertensão, dislipidemia, obesidade abdominal e estado pró-trombótico), síndrome do ovário poliquístico, alguns cancros (próstata, mama e cólon), miopia, acne (foi associado em dois estudos epidemiológicos ao consumo de lacticínios), aumento da estatura (diversos estudos mostram o papel dos lacticínios) e diminuição da idade da menarca/puberdade.

As culpas da Beta-Celulina, um composto do leite:
Existem estudos epidemiológicos e experimentais a associar o consumo de lacticínios a alguns cancros (a evidência é mais forte para ovários, testículos e próstata), à doença de Parkinson e à aterosclerose. Os motivos podem estar relacionados com o fenómeno da insulina atrás descrito e com alguns componentes do leite, designadamente a galactose, o cálcio e a beta-celulina (BTC), que foi descoberta recentemente.

A BTC é um factor de crescimento presente em todos os leites, que sobrevive à pasteurização, processamento (sendo também encontrada no queijo) e processo digestivo e tem a capacidade de entrar na circulação e ligar-se a um receptor (EGFR) que existe em diversas células epiteliais e aumentar a sinalização desse receptor, o que vai dar origem a uma série de fenómenos dentro das mesmas. No caso de diversos cancros (mama, cólon, próstata, ovários, pulmões, pâncreas, bexiga, estômago, cabeça e pescoço), sabe-se que há um aumento do número de EGFR e da sinalização dos mesmos e que existem já ensaios clínicos de fase II para fármacos que bloqueiam o receptor e a sua sinalização.

Apesar de ainda não terem sido realizados estudos sobre leite, BTC e cancro em humanos, pensa-se conhecer o mecanismo e existem estudos epidemiológicos que ligam o consumo de lacticínios a alguns destes cancros (próstata, ovários, pulmões, estômago e pâncreas).

Leite e Osteoporose:
magnésio é um mineral esquecido Culturalmente, o leite é tido como um alimento perfeito, por conter proteínas de alto valor biológico e cálcio, que é defendido como a melhor arma contra a osteoporose, o que não é totalmente verdade. É importante esclarecer que o cálcio é apenas um dos nutrientes necessários para a prevenção da osteoporose. Se existir um desequilíbrio entre o cálcio e os outros nutrientes (por défice de ingestão dos mesmos e/ou excesso de ingestão de cálcio), pode até ocorrer desmineralização óssea. Um desses nutrientes é o magnésio, cuja deficiência (que pode ser causada por um consumo elevado de cálcio) pode causar diminuição da densidade mineral óssea e aumentar o risco de fracturas. O rácio cálcio/magnésio ideal varia entre 1/1 e 2/1, ao passo que o rácio cálcio/magnésio no leite e derivados é superior a 10/1.

Obter cálcio sem o leite:
Ao contrário do que se pensa, é possível obter quantidades adequadas de cálcio sem recorrer aos lacticínios. Os vegetais, como os brócolis e couves, também contêm cálcio, e apresentam uma taxa de absorção deste mineral semelhante à dos lacticínios. Apesar de grama por grama, os lacticínios conterem mais cálcio que os vegetais indicados, estes contêm um rácio cálcio/magnésio entre 2/1 e 3/1, além de vitamina K (outro nutriente importante na manutenção da saúde óssea) e potássio (que é o principal precursor de bicarbonato, que demonstrou em estudos de intervenção de curto e longo prazo diminuir a excreção de cálcio e melhorar o metabolismo ósseo).

Além disso, um estudo epidemiológico de 12 anos realizado pela Universidade de Harvard com mais de 77 mil mulheres verificou que a ingestão de dois ou mais copos de leite por dia estava associado a maior incidência de fraturas nestas mulheres.Pelo contrário, o consumo elevado de vegetais, além de todos os benefícios já conhecidos pelo público, está associado a uma maior densidade mineral óssea e menor incidência de fraturas.

DESTAQUES
MMB LILIAN
IMPORTANTE
MMB AVISO
IMPORTANTE
O Conteúdo de MUSCLE MASSA BLOG é estritamente informativo. Antes de iniciar qualquer atividade física procure um médico, faça todos os exames e procure um profissional da área para prescrição de seus treinos individualizados. Antes de iniciar qualquer dieta consulte um Nutricionista. As informações contidas neste site não substituem a orientação de um profissional da área médica, nutricional e esportiva.
CONTATO
ENVIE SUAS DUVIDAS E COMENTÁRIOS PARA:
EMAIL: RICARDO MMB
MUSCLE MASSA BLOG
LEIA TAMBEM